terça-feira, julho 31, 2012

Tudo depende de um ponto de referência

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês.

O primeiro pergunta ao outro:
_ Você acredita em vida após o nascimento?
_ Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
_ Bobagem. Não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
_ Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
_ Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída - o cordão umbilical é muito curto.
_ Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
_ Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
_ Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
_ Mamãe? Você acredita em mamãe? E onde ela supostamente está?
_ Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
_ Eu não acredito! Eu nunca vi a mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
_ Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela...

terça-feira, julho 10, 2012

Legado

_ Perguntas para se fazer HOJE.


Quanto tempo mais de vida útil você tem para se realizar?
Uma, duas, três décadas?
Este tempo passará voando...


E quer saber quanto tempo te sobra?
Você só tem o tempo justo para Despertar, para Crescer, para Cumprir contigo e com tua missão na vida.
Nada mais.


Quando passar o tempo, e você olhar seus netos ou seus seres amados, que você deixará um dia, medite em todo seu passado pensando em qual será a aprendizagem mais valiosa que como presente você lhes deixará. 

No dia em que você se for e tudo ficar para trás, que ensinamento, que valores, que exemplo de vida a todos os que ama, você lhes deixará? Diga-se, honestamente. No dia em que você se for deste mundo, dirá a eles que sua vida foi valiosa e guiada por valores profundos? Dirá a eles que sempre seguiu o que seu coração ditava e que a sua vida, ainda que simples, não foi decretada pelos demais nem se deixou levar por conveniências e pressões da sociedade? Dirá a eles que aproveitou o tempo e a energia para caminhar atrás do seu Sonho ou só passou correndo atrás do sonho dos outros? Dirá que viveu intensamente e que conquistou a felicidade, o saber e a consciência que dá liberdade? Dirá a eles que, sobretudo, amou e se esforçou e com audácia venceu os desafios dos seus vícios, dependências e medos? No dia em que se for deste mundo, dirá aos que ama o que deixa e como se vive uma vida de verdade?


A sua vida atual está focada no seu Sonho, no que mais ama?

O que deixará a eles, no dia em que se for, além do dinheiro?



[Extraído de "Psicologia Da Decisão" do Livro "O Legado de Cóndor Blanco".]

quarta-feira, fevereiro 08, 2012

Os 3 Crivos

Certa feita, um homem esbaforido achegou-se a Sócrates e sussurrou-lhe aos ouvidos:
_ Escuta, na condição de teu amigo, tenho alguma coisa muito grave para dizer-lhe.
_ Espera... Ajuntou o sábio prudente - Já passaste o que vais me dizer pelos três crivos?
_ Três crivos? - perguntou o visitante, espantado.
_ Sim, meu caro amigo. Três crivos. Observamos se tua confidência passou por eles.
O primeiro é o crivo da VERDADE. Guardas absoluta certeza quanto àquilo que pretendes comunicar?
_ Bem, assegurar mesmo não posso... - ponderou o interlocutor - mas ouvi dizer, então...
_ Exato. Decerto peneiraste o assunto pelo segundo crivo, o da BONDADE. Ainda que não seja real o que julga saber, será pelo menos bom o que me queres contar?
Hesitando, o homem replicou: _ Isso não... Muito pelo contrário...
_ Ah! - tornou o sábio - Então recorramos ao terceiro crivo, o da UTILIDADE, e notemos o proveito do que tanto lhe aflige.
_ Útil não é.
_ Bem - rematou o filósofo num sorriso - se o que tens a me confiar não é nem verdadeiro, nem bom e nem útil, esqueçamos o problema e não te preocupes com ele, já que nada valem casos sem edificação para nós.

terça-feira, janeiro 24, 2012

Riso diário é bom




Enfim, por mais que doa, quando a ficha cai abre espaço para outros pensamentos.


sábado, dezembro 31, 2011

Amanhã será melhor que hoje

... novos sonhos ao amanhecer.

E que em 2012 cada um possa trazer ao mundo boas energias! ^^



sábado, dezembro 24, 2011

E ninguém te ouve



(...) E são tantas marcas
que já fazem parte
do que eu sou agora
mas ainda sei me virar.

domingo, dezembro 18, 2011

Além da superfície



Vamos combinar o seguinte?

Antes de adotar qualquer atitude intempestiva, guarda com cuidado e reflete com sentimento o que se passa dentro de você até encontrar um meio de agir, ser e viver feliz com isso.

Nem sempre a gente tem que ter uma resposta na ponta da língua, ou agir de imediato, porque nem todas as situações são 'caso de vida ou morte'. Algumas são simplesmente 'eternas'. Gaste tempo com essas.


quarta-feira, dezembro 14, 2011

Inside



"Deixar ir não significa desistir,
mas sim aceitar que há coisas que não podem ser."

_Pedro Quintella.



"Difícil não é lutar pelo o que se quer, mas sim desistir daquilo que mais ama. Eu desisti. Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer."

_Bob Marley.

quarta-feira, novembro 23, 2011

Tuly bit me


Tuly é o novo membro da matilha, digo... família. Trata-se de uma cachorrinha da raça Schnauzer, nascida no dia 7 de agosto de 2011. Ela é uma filhotinha linda e saudável, super esperta e obediente, mas também bastante 'geniosa'... Diria também algo de artista.

Como nova integrante familiar, acho digno apresentá-la, e não vejo melhor forma de fazer isso senão relatando alguns episódios vivenciados com ela, dignos de nota.

Tipo assim... Não sei bem definir o quanto de pirraça e o quanto de protesto há nisto, mas, se as vasilhas dela de água e comida estão cheias, ela as deixa quietinhas, certinho lá no canto onde elas ficam. No entanto... se acaba a água e a comida... Ela arrasta as vasilhas pela casa toda e as deixa estacionadas naquilo que consideramos o 'sanitário' dela (em cima do jornal).

Houve um incidente, que denominei "As Areias do Destino", na sexta-feira passada. Tive que fazer uma viagem a uma cidade no interior de MG, chamada Várzea da Palma, e saímos, eu e a Andressa, aqui de Brasília bem cedinho com a intenção de retornar no mesmo dia. Daí que, tendo resolvido o que planejava lá naquela cidade, acabei resolvendo estender a viagem a Montes Claros, para encontrar minha família, já que estava a menos de 200 Km de lá. Nisso, obviamente, acabamos tendo que passar a noite em Moc, e voltamos a Brasília apenas no sábado de manhã.

Eu, de certa forma, já previa algum incidente de largas proporções por ter deixado a Tuly com água e comida suficientes apenas para a sexta-feira, mas minha imaginação esteve aquém da capacidade destrutiva dela.

Ela derrubou no chão a única lembrança que eu havia trazido de Fortaleza/CE, de cujo Congresso eu havia voltado 2 dias antes: um copo com desenhos feitos com areia colorida das Falésias de Beberibe, em Morro Branco. Comeu a areia azul e o que restou ela espalhou por toda a sala. Comeu minha boneca de cabaça, lembrança de Pirenópolis/GO e um barquinho de madeira, lembrança de Paraty/RJ. Isso além de ter picado jornal, arrastado a cama dela pro centro da sala e, claro, levado as vasilhas de água e comida para cima do sanitário. Enfim, sei que, neste incidente, acabei perdendo lembranças de 3 estados diferentes.

Briguei com a Tuly, perguntei se era perseguição e disse a ela para comer as coisas da Andressa também. Mas a Andressa não tem nada comestível na sala a não ser tênis, meia e chinelo. Acho que a Tuly gosta de coisas mais artísticas...

Já no episódio "Tuly bit me", foi a capacidade artística minha e da Andressa que entrou em cena. Sabe aquele negócio de que "não basta ser mãe, tem que participar"? Pois bem. Resolvemos tosar Tuly.

Lendo assim, a um primeiro momento, tenho certeza de que você já pensou "claro que isso não vai prestar...". Mas o caso é que a gente realmente achou que seria um momento lindo e divertido.

Gastamos alguns minutos preparando o cenário: abrindo jornal no chão da sala, pregando-o com fita adesiva ao chão e testando a máquina de cortar cabelo. Tudo pronto, só faltava a Tuly colaborar. No princípio ela ficou super desconfiada do barulho que a máquina fazia, mas foi só começarmos a penteá-la que ela adorou. Deve, inclusive, ter dado alguns cochilos enquanto a gente se matava para acertar o tamanho do corte nas patas. Mas essa paz estava com os minutos contados, pois foi só chegarmos na região do pescoço que a cachorra ficou possuída.

O pescoço foi tosado a muuuuuito custo, mas ali já percebíamos que a cabeça seria digna de uma Missão Impossível. Nem eu, nem a Andressa conseguíamos mais segurá-la, tosá-la e impedi-la de comer os próprios pêlos, ao mesmo tempo, e não nesta ordem. De filhote de Schnauzer, parecia um Pitbull do BOPE. E a gente insistindo... Afinal, não dava pra deixar a cachorra no estilo Duas Caras.

A luta foi tanta e fomos desastrosamente vencidas. Acabamos dando a Tuly um novo topete style. O bom é que moicano está na moda. (rs)

Incidentes à parte, o certo é que...

Cachorro é tudo de bom!

quarta-feira, outubro 19, 2011

Falta

Eu quero a sorte de um amor tranquilo.



sexta-feira, setembro 02, 2011

Lá de longe



O fato de você estar andando não significa que já me alcançou.


quarta-feira, agosto 24, 2011

A Vontade de Deus

Certas palavras não precisam ser explicadas, apenas sentidas. E, no dia do meu aniversário, é isso que cobre meu coração:



A Vontade de Deus nunca irá levá-lo
Aonde a graça de Deus não possa guardá-lo,
Aonde os braços de Deus não possam sustentá-lo,
Aonde as riquezas de Deus não possam suprir suas necessidades,
Aonde o poder de Deus não possa capacitá-lo.

A Vontade de Deus nunca irá levá-lo
Aonde o Espírito de Deus não possa operar por seu intermédio,
Aonde a sabedoria de Deus não possa ensiná-lo,
Aonde o exército de Deus não possa protegê-lo,
Aonde as mãos de Deus não possam moldá-lo.

A Vontade de Deus nunca irá levá-lo
Aonde o amor de Deus não possa envolvê-lo,
Aonde as misericórdias de Deus não possam animá-lo,
Aonde a paz de Deus não possa acalmar seus temores,
Aonde a autoridade de Deus não possa dominá-lo.

A Vontade de Deus nunca irá levá-lo
Aonde o consolo de Deus não possa secar suas lágrimas,
Aonde a palavra de Deus não possa alimentá-lo,
Aonde os milagres de Deus não possam ser operados em você,
Aonde a onipresença de Deus não possa encontrá-lo.

segunda-feira, agosto 22, 2011

Anotações, para mim mesma



Faltando 2 para os 31:


Não espere que lhe devolvam algo, que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor.



sexta-feira, agosto 12, 2011

Iceberg


Após tantos dias mornos, tanto o frio quanto o calor incomodam. O corpo parece sentir as brisas como ventanias que embaralham todos aqueles tropeços diários e, inevitavelmente, mudam a poeira de lugar. Onde pisar quando na mente lhe faltam tapetes?

Ainda que a cabeça pese e o coração arda, lágrima nenhuma parece apagar o que foi escrito em pedras e chamas. A vida tem motivos assim como no mar há peixes, e leves são os homens que vivem sem se afogar.

Meu desejo era que me lessem em braille. Mas tantos pontos fazem com que, raramente, os pingos encontrem os i's...

Não dá para agir com os outros como se fôssemos uma folha em branco; simples e imaculada. É justamente nosso conteúdo que nos abre a consciência de sermos meros continentes, onde misturam-se as mais leves histórias, e também os contos mais duros.

Talvez supor que "me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato" não passe de uma falácia ucraniana.

quinta-feira, agosto 04, 2011

Quando começamos a nos perder



Quando começamos a achar que somos mais importantes do que os outros que compadecem do mesmo solo;
Quando achamos que tudo na vida é aproveitá-la ao máximo, achando que isso depende só de nós;
Quando colocamos os valores materiais à frente de todos os outros valores amorosos;
Quando achamos que o mais importante é vencer na vida e a nossa família e amigos estão sofrendo porque todo o resto foi posto de lado;
Quando o dinheiro se tornou nossa única meta;
Quando estamos cegos e enfurecidos;
Quando pensamos que tudo que acontece na nossa vida é por azar;
Quando achamos que estamos sozinhos;
Quando não somos capazes de pedir ajuda;
Quando paramos de rezar;
Quando queremos comprar a nossa honra;
Quando achamos que poder é ter dinheiro;
Quando não mais apreciamos a beleza das formas da natureza que Deus nos contemplou;
Quando pensamos negativamente;
Quando achamos que fazendo somente a nossa parte o mundo vai melhorar...

É porque temos que dar um pouco mais de nós!!!



*Pic by Nanam